Se você já descobriu que o marketing digital é o melhor caminho para alavancar seu negócio, certamente um dos seus principais objetivos é ser encontrado pelos seus clientes nos buscadores e já sabe que o Google é peça-chave dessa missão.

Os últimos números do Google mostram que seus usuários realizam mais de 3,5 milhões de buscas todos os dias, enquanto o número de sites indexados pela “biblioteca” do Google já ultrapassou os 60 trilhões, ou seja, se destacar no buscador e conquistar um bom lugar no ranking, de forma orgânica, não é uma tarefa fácil.

Por isso é fundamental otimizar o seu site para o buscador, ou seja, trabalhar com SEO. Mas para desenvolver uma boa estratégia de SEO, antes é preciso entender como o Google funciona e de que maneira ele seleciona e apresenta seus resultados de pesquisas.

Resultados Pagos

Os resultados pagos são aqueles que aparecem no topo e no fim da página, em destaque, selecionados por meio de anúncios gerados através do Google Adwords. Esses resultados  são classificados principalmente através de lances de Custo por Clique (CPC) e pelo índice de qualidade do anúncio, que é o valor determinado pelo Google para cada palavra-chave participante dos leilões do Adwords.

Resultados Orgânicos

Os resultados orgânicos ou gratuitos ficam localizados no centro, entre os anúncios pagos. Eles são classificados de acordo com seu algoritmo de busca e ranqueia quais sites são mais relevantes a busca do usuário.

De acordo com uma pesquisa realizada no Reino Unido e publicada pela Econsultancy, em 2014, os usuários de serviços e compras online clicam nos resultados das buscas orgânicas do Google com uma margem de 94%, contra apenas 6% de cliques nos links patrocinados. O que mostra a importância da sua empresa estar bem classificada no buscador.

busca paga e orgânica

Como funciona a busca do Google

A busca do Google baseia-se em um sistema de “crawlers”, que funcionam como um tipo de rastreador,  para encontrar as páginas públicas que estão disponíveis. Esse sistema vai entrando de link em link, descartando apenas páginas que contenham códigos de indexação que indiquem que elas não devem ser encontradas.

Esses rastreadores são robôs que lêem  todos os conteúdos disponíveis, indo de URL em URL e coletando informações sobre as páginas para os servidores do Google.

Algumas empresas facilitam esse processo de indexação criando uma lista de todas as páginas contidas no seu site e enviando para o buscador.

Informação, Organização e Indexação: como o Google cumpre sua missão

“A missão do Google é organizar as informações do mundo e torná-las universalmente acessíveis e úteis.”

 

A missão do Google diz muito sobre como ele trabalha, já que é através da indexação de páginas que ele organiza as informações e as disponibiliza para os seus usuários.

O processo de rastreamento sempre começa com uma lista já rastreada ou fornecida pelos sites. Ao passar por esses endereços, os rastreadores detectam os links para outras páginas e as visitam.

Como o Google preza pela atualização de dados, ele dá uma maior importância à indexação de sites novos e a alterações em sites já existentes e links ativos.

São os crawlers que determinam quais sites devem ser rastreados, com que frequência e quantas páginas serão buscadas em cada site. Seu objetivo principal é identificar os melhores resultados e proporcionar a melhor experiência possível ao usuário.

Quando o Google encontra uma página, ele faz uma espécie de cópia em seu servidor, a indexando. A partir daí, ela entra para a “biblioteca” e está habilitada a aparecer como resultado no Google.

Depois dessa etapa, quando é feita uma pesquisa no Google, o algoritmo consegue processar em milésimos de segundos uma análise de diversos critérios, mais de 200, procurando entender quais páginas do índice atendem as palavras-chaves buscadas e a relação entre seu conteúdo e o tema buscado pelo usuário.  

Conteúdo

Durante a busca, o Google atribui maior valor a elementos de alguns espaços específicos, considerados por ele como indicadores determinantes da correlação com o assunto pesquisado. Por isso, trabalhar o conteúdo desses espaços é um dos caminhos para alcançar um bom posicionamento nas fileiras do Google. São eles:

Título

É o texto que abre na aba do navegador e por isso, tópico de maior relevância para o Google.

Cabeçalhos

Correspondem aos subtítulos contidos na página hierarquicamente. São marcações no código que vão do H1 ao H6, tendo seu grau de importância considerado do maior para o menor.

Textos

É o conteúdo propriamente dito. O Google considera a presença da palavra-chave e seus sinônimos ao longo do texto, mas não basta repeti-la inúmeras vezes, é preciso que ela esteja coerente com a fluência do conteúdo.

URL:

O endereço do link na web é bem importante e deve estar otimizado. Seja específico e o mais fiel possível ao título.

Tag Alt

Descrição das imagens presentes no conteúdo. É o texto que irá aparecer caso a imagem não seja exibida e informação usada pelo Google para identificá-la.

Além desses elementos, o Google também considera o contexto da página indicada e através dos links contidos nela.

Autoridade do Site

Conteúdo na web é o que não falta e para entregar os melhores para os usuários o Google busca compreendê-las através da sua relevância e autoridade no assunto.

Para isso ele usa como parâmetro o número de vezes que a página e o site como de forma geral são indicados por terceiros, através de links recebidos. Significa que quanto mais links outras páginas fizerem para os seus conteúdos, mais autoridade você terá aos olhos do Google e maior será a probabilidade de alcançar as primeiras posições no buscador.

Outro fator considerado pelo Google é a importância que o próprio site atribui ao seu conteúdo. Se ele estiver a muitos cliques da home, o ele considera que aquela página não é importante para sua empresa e portanto, também não é importante para os outros.

Experiência do Usuário

O Google é o buscador mais popular entre os usuários e boa parte do seu sucesso se deve a boa experiência que ele proporciona. Desse modo, a experiência do usuário durante a navegação das páginas é um fator de extrema importância para o Google.

A velocidade do carregamento, a responsividade do site e até mesmo a volta ou não do visitante para o buscador, são indicativos usados pelo Google para avaliar a experiência do usuário. Se o visitante sair rapidamente de uma página e voltar para os resultados, o Google entende que ele não encontrou o que procurava e classifica aquele endereço como uma experiência ruim.

Agora que você compreendeu como o Google funciona e quais seus critérios de ranqueamento, está na hora de desenvolver sua estratégia de SEO. Quer ser encontrado por seus cliente e estar bem posicionado no Google? Fale conosco! A Kaizen é especialista em SEO e vai trazer os melhores resultados para sua empresa.

 

 

Tiago Flores Dias
Tiago Flores Dias Sobre o(a) autor(a)
Consultor de Marketing Digital, Growth Hacker e Empreendedor com mais de 18 anos de experiência de mercado, apaixonado por inovação e líder de uma das maiores agências de marketing digital de performance do país.

Siga-me


cadastre-se e receba novidades